O gosto bom da espontaneidade e da coragem.

Esses dias andei um tanto nostálgica, querendo voltar àquele momento gostoso de quando abandonei a publicidade e me joguei no meu próprio business. Naquela época o mais saboroso era me experimentar em novos papéis.

O resultado maior foi o reconhecimento das minhas habilidades e talentos, já que muitos deles estavam adormecidos.

Quando me experimentei como empreendedora tudo valia a pena, valia fazer sem ganhar dinheiro, valia fazer para empatar, valia até mesmo pagar para fazer.

O aprendizado, o auto-conhecimento e o meu despertar não tinha preço.

 O tempo passou muito rápido de lá para cá.

Hoje, dois anos depois,  sei que de nada adianta voltar no tempo, tudo aconteceu como tinha que acontecer e tudo é aprendizado.

Percebi, no entanto, que o que quero de verdade é a espontaneidade e a coragem que usei no passado para desapegar do que não serve mais e de fazer o que de fato faz sentido.

Mas lembrei que para isso não é necessário voltar no tempo, basta acessar essas virtudes dentro de mim, onde elas sempre estiveram.

Já nascemos com uma caixa de ferramentas cheias de virtudes e com livre acesso, portanto não é necessário voltar no tempo é só se voltar para dentro.